[Resenha] #Livro 34/2016 – Procura-se Um Marido  by Carina Rissi

procurase

Título: Procura-se Um Marido

Autor: Carina Rissi

Editora: Verus

Páginas: 476

Alicia sabe curtir a vida. Já viajou o mundo, é inconsequente, adora uma balada e é louca pelo avô, um rico empresário, dono de um patrimônio incalculável e sua única família. Após a morte do avô, ela vê sua vida ruir com a abertura do testamento. Vô Narciso a excluiu da herança, alegando que a neta não tem maturidade suficiente para assumir seu império a não ser, é claro, que esteja devidamente casada.

Alicia se recusa a casar, está muito bem solteira e assim pretende permanecer. Então, decide burlar o testamento com um plano maluco e audacioso, colocando um anúncio no jornal em busca de um marido de aluguel.

Diversos candidatos respondem ao anúncio, mas apenas um deles será capaz de fazer o coração de Alicia bater mais rápido, transformando sua vida de maneiras que ela jamais imaginou.

Cheio de humor, aventura, paixão e emoções intensas, Procura-se um marido vai fisgar você até a última linha. . (retirado do skoob).

Olá, estou trazendo hoje mais uma resenha que fiquei devendo das leituras do ano passado – mais um pouco e eu finalmente fico em dia yeey –.

Não sei bem ao certo como ouvi falar desse livro. Só me lembro que ele apareceu algumas vezes pra mim como recomendado no skoob, sendo que a capa dele atraiu minha atenção.

Confesso que comecei a ler ele umas três vezes até a leitura de fato engrenar, eu pegar interesse na história e então, finalmente terminar a sua leitura.

‘Procura-se um marido’ conta a história de Alicia Moraes de Bragança e Lima, uma menina nascida em família rica, que não quer saber de trabalho duro, sendo que seu principal interesse é festar. Criada pelo avô milionário, após o falecimento de seus pais, encara a vida como algo certo, uma vez que conta com o apoio financeiro de seu avô, se metendo sempre em encrencas, resultado de seu estilo ‘livre’ de viver. Seu avô então tenta sempre colocar juízo na cabeça da neta, sua única herdeira, para que ela possa se tornar então capaz de herdar e dar continuidade aos seus negócios, tendo suas tentativas todas frustradas pela irresponsabilidade de sua neta.

Entretanto, de repente, seu avô vem a falecer, derrubando o mundo de Alicia, que apesar de viver sua vida de forma ‘irresponsável’, tinha um grande carinho pelo avô. Outro baque em sua vida acontece, quando de repente, Alicia se vê sem nada. Sem dinheiro, sem casa, sem carro. Tudo isso acontece quando ao ser aberto o testamento de seu avô, ela descobre que este estabelecera que Alicia somente teria acesso a sua herança quando estivesse casada.

Vivendo de forma livre, Alicia nunca havia considerado o casamento. Mas, para reaver sua herança, bola um plano audacioso, em que coloca um anúncio no jornal, no qual busca por um marido de aluguel. E é a partir daí que passa a viver emoções que jamais imaginou para si.

O que eu posso dizer sobre minha experiência com esse livro é que ele é bom. Apesar de possuir mais de 400 páginas, o li em menos de dois dias. A verdade é que o começo dele é um pouco sem sal, não prendendo a atenção do leitor – pelo menos não a minha – mas, no momento em que a história engrena, a leitura se torna frenética.

A autora usa de termos e método de narrativa simples, o que torna a leitura leve e fluída, uma leitura não difícil, e assim não se tornando cansativa.

O enredo em si não tem muito de novo – pelo menos não para quem acompanha bastante seriados, novelas japonesas e coreanas, mangás e coisas do tipo – mas é a simplicidade que a torna interessante.

A verdade é que por vezes me imaginei lendo o roteiro de um filme da Sessão da Tarde. Aquele tipo de história que tem seus dramas, seus ‘plot twist’ e o final feliz. Simples, rápido e de ‘aquecer o caração’. Ainda assim, recomendo a leitura dele apenas para pessoas que curtam o gênero.

 

Anúncios

[Resenha] #Livro 02/2017 – A Mais Pura Verdade by Dan Gemeinhart

 

A-Mais-Pura-Verdade.jpg

 

Título: A Mais Pura Verdade

 Autor: Dan Gemeinhart

Editora: Novo Conceito

Páginas: 221

Em todos os sentidos que interessam, Mark é uma criança normal. Ele tem um cachorro chamado Beau e uma grande amiga, Jessie. Ele gosta de fotografar e de escrever haicais em seu caderno. Seu sonho é um dia escalar uma montanha.

Mas, em certo sentido um sentido muito importante , Mark não tem nada a ver com as outras crianças.

Mark está doente. O tipo de doença que tem a ver com hospital. Tratamento. O tipo de doença da qual algumas pessoas nunca melhoram.

Então, Mark foge. Ele sai de casa com sua máquina fotográfica, seu caderno, seu cachorro e um plano. Um plano para alcançar o topo do Monte Rainier.Nem que seja a última coisa que ele faça.

A Mais Pura Verdade é uma história preciosa e surpreendente sobre grandes questões, pequenos momentos e uma jornada inacreditável. (retirado do skoob).

Olá, hoje venho falar sobre o segundo livro que li na Maratona Literária de Verão 2017 que preenche o desafio de ler um livro recomendado por um dos organizadores do torneio. Acabei por escolher “A Mais Pura Verdade” por ter sido uma das recomendações do Victor Almeida do canal Geek Freak.

Em “A Mais Pura Verdade” conhecemos Mark, um menino de doze anos que sai em uma aventura que aparentemente não tem mais volta. Cansado de viver uma vida de hospitais, assolado por uma doença que parece nunca se dar por vencida, decide por fim fugir de casa, levando consigo apenas alguns pertecentes como sua máquina fotográfica, algum dinheiro e seu cão, super companheiro, chamado Beau. Seu objetivo final é chegar à uma montanha e escalá-la.

Ao iniciar o livro, percebemos que Mark está determinado à atingir seu objetivo sem ser encontrado, ainda que sem saber o motivo. Ao embarcar para sua ‘aventura’, planeja tudo de forma a despistar as pessoas que venham a tentar encontrá-lo. Passamos a viver junto com ele cada aventura e contratempo que ele encontra no meio do caminho.

Mark se mostra um menino determinado, mas com rancor da vida. Até porque, essa é a primeira vez que está fazendo algo que quer, da maneira como quer, depois de anos de tratamento de sua doença, idas a hospitais e internações.

Ao longo do livro, nos é mostrado o motivo pelo qual Mark escolheu essa montanha, o porque quer tanto chegar ao seu topo. Antes, uma promessa feita ao seu avô.

E apesar dessa aventura parecer ser uma aventura sem volta, uma ‘última aventura’ para Mark, percebemos que ao longo do caminho, este encontra diversas pessoas que o fazem entender um novo significado para a vida.

Além disso, Beau, seu cãozinho companheiro, permanece ao seu lado até o fim. Mais fiel que esse melhor amigo, impossível.

Temos ainda, Jessie, melhor amiga de Mark na escola, ela é a única para quem Mark deixa um sinal de que está ‘fugindo’ de casa, com uma dica de onde possa estar.

Os capítulos são alternados entre a narrativa das aventuras de Mark e da agonia de Jessie, que ficou pra trás, com um grande segredo, em meio ao caos que é a busca realizada pelos pais de Mark pelo menino.

“Mesmo a muitos quilômetros de distância,

um amigo ainda pode segurar a sua mão

e estar ao seu lado”.

O livro é simples, com uma narrativa fluída, que permite uma leitura leve e rápida, sem em momento algum se tornar cansativa.

O foco do autor a todo momento é o pensamento de Mark. Por isso mesmo, não houve durante o enredo, um aprofundamento e caracterização dos demais personagens como os pais de Mark.

É um livro que trata de uma temática um pouco batida – livros que tratam de doenças e vida estão um pouco na moda – mas o caminho escolhido pelo autor para tocar no assunto foi diferente e interessante, contando uma história linda de superação e em busca da razão da vida, tudo isso pela visão da inocência de uma criança.

P.S.: Sim, resenha do segundo livro que li na MLV2017. Ainda devo resenhas do ano passado. EU SEI! Vou tentar escrever, sério. Ainda, li só dois livros esse ano e estou flopando lindamente na minha TBR da maratona. Mas tudo bem, vou tentar recuperar o tempo perdido ao longo do ano TT-TT.

#Livro 21/2016 – Harry Potter e a Pedra Filosofal – Edição Ilustrada by J.K. Rowling

harry-potter-e-a-pedra-filosofal-ilustrado

Título: Harry Potter e a Pedra Filosofal – Edição Ilustrada

 Autor: J.K. Rowling

Ilustrações por Jim Kay

Editora: Rocco

Páginas: 256

Primeiro dos sete livros da série que se tornou o maior fenômeno editorial de todos os tempos, com mais de 450 milhões de exemplares vendidos em todo o mundo, Harry Potter e a Pedra Filosofal chega às livrarias brasileiras em 1º de junho em edição ilustrada.

Perfeita para a legião de fãs da série de J.K. Rowling e para as novas gerações que estão descobrindo a leitura, a nova edição é ilustrada por Jim Kay, ganhador da Kate Greenaway Medal, que fez um trabalho minucioso ao recriar o universo de Harry Potter em imagens e cores. Com projeto gráfico sofisticado, o livro, que traz o texto integral de J.K. Rowling, chega às lojas com capa dura, sobrecapa, miolo em papel couché e protegido por uma luva ilustrada. (retirado do skoob)

Como muitos que acompanham o blog já sabem, Harry Potter é minha vida. Sou apaixonada declarada pela série e como não podia deixar de ser, ao saírem notícias de que lançariam uma edição ilustrada dos livros, decidi que precisava tê-los, pelo menos um deles. E foi assim que me dei de presente de aniversário o Harry Potter e a Pedra Filosofal – Edição Ilustrada.

A história é a mesma, e apesar de eu ter lido ele todo – sim, a história toda – vou me abster de comentá-la, para dar enfoque no principal diferencial desse livro, as ilustrações. E então decidi fazer um post mais focado nas imagens, e aí vou comentar um pouquinho das impressões que tive do livro.

Vamos lá.

Pra começar, o livro é em capa dura, uma das novas modas atualmente nos livros lançados pelas editoras, sendo que ao se retirar a capa, que aliás, é uma ilustração linda do Expresso de Hogwarts, temos o livro em capa dura vermelho, com o título apenas, talhado no lombo.

Todos os capítulos tem uma ilustração em seus títulos, muito legais também.

Aqui um dos exemplos:

20160916_180935

Nem todas as páginas tem ilustrações e existem ilustrações de uma página – ou duas – inteiras, como essa que é uma das minhas favoritas, o unicórnio na floresta proibida.

 

20160916_182926
Pensa num desenho bonito sendo visto ao vivo no livro? Pois é, pena que minha câmera e minhas habilidades – nulas – de fotografia não tenham conseguido captar toda a essência desse desenho T-T

Tem ainda essa ilustração do Salão Principal que eu adorei:

20160916_183036

20160916_181633

Mas as páginas que não tem ilustrações tem às vezes tem esses pingos de tinta, que ilustram o fato de ser uma edição ilustrada, outras tem rabiscos que ilustram paredes, ou até mesmo paredes sujas, como no caso do capítulo do Caldeirão Furado, dando a entender que o local é sombrio e sujinho como retratado no filme.

Em questão de estrutura, todo o texto é exposto dessa forma, em duas colunas:

20160916_183131

Nem todos os personagens são retratados, mas é interessante observar que os que foram, em sua maioria, foi baseada nos atores dos filmes, temos aqui  Rony, Dumbledore e Hermione (não sei porque a foto do Dumbledore entra de cabeça pra baixo quando eu posto ela, pois ela está normal no meu computador u.u):

E, preciso dizer que minha ilustração favorita é sem dúvidas, a dos fantasmas adentrando no salão principal. As imagens não estão lá essas coisas porque meu celular é péssimo para tirar fotos – e eu também xD – então talvez não tenha captado em 100% a beleza dessas imagens, mas sério gente, são lindas!

Este slideshow necessita de JavaScript.

Temos por fim, que na verdade vem no começo do livro, o sumário todo bonitinho com as chaves aladas!

20160916_183118

Minhas impressões do livro não poderiam ser melhores. O livro em si é maravilhoso, e as ilustrações trouxeram um toque de magia muito legal pra ele. Ele é grande e pesado, então é algo mesmo para se ter na estante ou em exposição, não dá pra ficar carregando na bolsa pra ler quando dá aquele tempinho extra.

Uma coisa negativa que eu observei foi o fato de que o autor dos desenhos parece ter se ‘cansado’ ao longo das ilustrações. Digo isso porque início do livro é cheio delas, mas para o fim elas vão diminuindo, ficando raras.

É isso gente, o livro é lindo, e para quem é fã, é muito fascinante reler ele dessa maneira. É o tipo de livro que é mais para quem de fato gosta da série e quer tê-lo na estante. Eu recomendo sim, sem dúvidas. Não que ler ele em sua forma original não seja legal, pelo contrário, é tão ou até mais mágico aliás, porque é onde você vai imaginar seu próprio mundo mágico de Harry Potter. Fica a critério e do estilo de cada leitor.

#Livro 20/2016 – O Orfanato da Srta. Peregrine Para Crianças Peculiares by Ransom Riggs

513jd1-nall-_sx343_bo1204203200_

Título: O Orfanato da Srta. Peregrine Para Crianças Peculiares #1

 Autor: Ransom Riggs

Editora: Leya

Páginas: 336

Tudo está à espera para ser descoberto em O orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares, um romance inesquecível que mistura ficção e fotografia em uma experiência de leitura emocionante. Nossa história começa com uma horrível tragédia familiar que lança Jacob, um rapaz de 16 anos, em uma jornada até uma ilha remota na costa do País de Gales, onde descobre as ruínas do Orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares. Enquanto Jacob explora os quartos e corredores abandonados, fica claro que as crianças do orfanato são muito mais do que simplesmente peculiares. Elas podem ter sido perigosas e confinadas na ilha deserta por um bom motivo. E, de algum modo, por mais impossível que pareça, ainda podem estar vivas. Uma fantasia arrepiante, ilustrada com assombrosas fotografias de época, O orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares vai deliciar adultos, adolescentes e qualquer um que goste de aventuras sombrias. (retirado do skoob)

Como começar a falar sobre esse livro? Esse foi o típico caso de “julgar o livro pela capa”. Vi ele na lista de livros de uma promoção e achei muito interessante toda a parte gráfica dele e aliado a sinopse, pareceu muito interessante.

O livro conta a história de Jacob, um menino de uma família bem de vida, que tem como avô uma pessoa super excêntrica que conta histórias de guerra, e principalmente, histórias sobre o lugar onde viveu quando criança, um local para crianças peculiares, sempre mostrando para Jacob fotos estranhas de grandes feitos.

Um dia, Jacob presencia uma tragédia familiar e acaba testemunhando algo bizarro. Com isso, parte em uma aventura muito peculiar junto de seu pai, que não sabe nem metade das histórias e motivos que o levaram a ir atrás de um orfanato em uma ilha distante.

Chegando na ilha, Jacob se descobre em um mundo completamente diferente daquele em que estava acotumado a viver, finalmente encontrando o orfanato em que seu avô vivera, conhecendo então diversas pessoas peculiares, momento em que sua aventura de fato se inicia.

Devo dizer que, com toda a publicidade em cima do livro, as fotos, a capa, os comentários, eu esperava um pouco mais do livro. A ideia da história é interessante, que lembra um pouco – bastante – X-Man, e tinha muito potencial. Porém, não sei se pelo fato de ser uma série, dividida em três livros, o autor optou por ter o primeiro livro como uma introdução a série, o que tornou o livro um pouco monótono.

Acho que as fotos que o livro traz, o mistério, tudo isso me deixou com muitas expectativas do que iria acontecer, e infelizmente muita coisa não aconteceu. Mas, o livro não é nem de longe ruim. Muito pelo contrário, ele dá a introdução a uma série que tem tudo pra ser muito boa. Eu só esperava um pouco mais dele eu acho, um pouco mais de descrição e definição dos pesonagens, suas histórias, uma exploração maior do tema “peculiares” e mais ação.

Além disso, o autor termina o livro com o clássico gancho, que nos deixa esperando pela leitura do próximo livro. Então é esperar pra ver se haverá de fato um desenvolvimento maior da história ao longo dos próximos livros da série.

– Nas Telonas –

O primeiro livro da série vai ganhar as telonas, em um filme de Tim Burton, com estreia prevista para janeiro de 2017 nos cinemas brasileiros.

Confira o trailer:

– Orfanato ou Lar –

Uma das grandes questões que surgiu quanto a essa série, está em seu nome.

O primeiro livro, lançado pela Editora Leya no Brasil, traz como nome título do livro e da série “O Orfanato da Srta. Peregrine Para Crianças Peculiares”. Posteriormente, a Editora Intrínseca obteve os direitos de publicação da continuação da série no Brasil e lançou os livros Cidade dos Etereos e Biblioteca das Almas, sob a série “O Lar da Srta. Peregrine Para Crianças Peculiares”. Aqui nesse artigo a editora explica o motivo da mudança e o porque terem decidido pela palavra “Lar”. Leia AQUI o artigo da Ed. Intrínseca.

Aliás, a Editora Intrínseca anunciou ainda que adquiriu os direitos para publicar o primeiro livro da série sob seu selo, que seguirá o mesmo padrão dos outros dois, sendo “O Lar da Srta. Peregrine Para Crianças Peculiares”, com capa dura – a nova moda entre algumas editoras – .

No meu post eu deixei como Orfanato, uma vez que o livro que eu comprei e li ainda é a versão publicada pela Editora Leya.

Aliás, não sei vocês mas eu tenho um leve toc, e ter a série na minha estante com formatos diferentes – por terem sido publicadas por editoras diferentes – me incomoda um pouquinho, mas fazer o que né.

#Livro 19/2016 e #MLI2016 – Tudo Pode Acontecer by Will Walton

Tudo Pode Acontecer.jpg

Título: Tudo Pode Acontecer

 Autor: Will Walton

Editora: V&R

Páginas: 248

Tretch Farm vive em uma cidadezinha no interior dos Estados Unidos onde todo mundo sabe da vida de todo mundo. O que torna ainda mais difícil o fato de ele estar apaixonado por Matt, seu melhor amigo. Matt não desconfia de absolutamente nada e Tretch não sabe se isso é bom ou ruim… Para ele o problema não é apenas com Matt. Sua família não tem ideia de quem ele realmente é e o que ele realmente pensa no auge dos seus quinze anos. sua mãe acredita que o filho está prestes a sair com uma garota. E Bobby Handel, que sempre insinua que Tretch é gay na escola, mal sabe que está bem perto da verdade. Aos poucos essa história revela que viver uma mentira pode não ser a melhor escolha para alguém que busca a felicidade. (retirado do skoob)

O livro conta a história de Tretch Farm, um menino que mora no interior dos EUA e que está passando por aquela fase da vida que todo adolescente passa. Dúvidas quanto a vida e quanto ao futuro, problemas sobre o amor, amizades.

O livro gira em torno de seu dia-a-dia, que abrangem suas relações familiares, os amigos e o amor, e a aceitação por parte dele mesmo da descoberta de que está apaixonado pelo melhor amigo, Matt.

Matt, seu colega de escola e melhor amigo, veio de Nova York e tem uma história interessante. Ele tem dois pais, e por esse motivo sofre bullying na escola. Mas para Tretch, isso não é nada demais. Aliás, Tretch esse que também sofre bullying na escola, principalmente por ser amigo de Matt.

Boatos e piadas são feitas quanto a relação dos dois, em decorrência do status dos pais e Matt, mas Tretch nem liga. E, para ele, no seu consciente, não tem muito o que fazer, uma vez que o responsável por liderar os ataques contra si, Booby Handel, é ninguém menos que o filho do sócio de seu pai.

No meio da confusão de sentimentos de Tretch, Matt se interessa por uma menina, Amy, e passa a requisitar a ajuda de Tretch para conquistá-la, uma vez que esse a conhece. Isso, devo dizer, corta o coração de Tretch, mas mesmo assim decide ajudar seu melhor amigo, sendo que podemos acompanhar durante o livro, ainda que de forma sutil, uma vez que não é um lado da história muito explorado, o crescimento da relação de Matt e Amy.

Um dos lados que mais gostei do livro é o fato de que Tretch tem um irmão mais velho, e esses são super próxims, conversando sobre tudo, sendo até mesmo ele a primeira pessoa para quem Tretch se abre, de forma honesta, quanto ao seus sentimentos e sua orientação sexual. O mesmo, infelizmente, não acontece com seus pais. Percebemos durante a narrativa, uma certa relutância dos pais de Tretch quanto aos pais de Matt, o que nos mostra que talvez, eles não fossem compreensivos quanto ao assunto, fato que trazia a relutância de Tretch em tocar no assunto com eles.

Outra coisa legal é a relação dele com seus avós. Eu tenho convívio presente com os meus, e acho muito importante essa relação. Aqui vemos mais um assunto difícil de lidar. O avô de Tretch descobre que tem câncer. Vemos a perspectiva de uma família ante a doença de um ente querido, não querendo ter que se preparar para o adeus.

O livro é bonitinho, e trata de um assunto sensível, de forma sensível. Não há uma super explaração do ‘sou gay’, mostrando Tretch como um adolescete que tem seus problemas de adolescente. Assim, acompanhamos essa transição de Tretch quanto a sua orientação sexual de forma leve.

O grande porém em Tudo Pode Acontecer é que, não aconteceu.

A escrita em si do autor é muito boa, ela flui, tornando a leitura fácil, e de fato, muito rápida. Apesar de, por ser um livro que apesar de tratar temas polêmicos, ao não se aprofundar neles, deixa a leitura mais fácil. Entretanto, o não aprofundamento em nenhuma das questões abertas no livro- homossexualidade, amor pelo melhor amigo, doença do avô, etc – é que de certa forma, parece com que não houveram respostas, deixando tudo muito solto, tudo muito sem final.

O autor começa o livro super bem, os personagens são muito reais, e você acaba se apegando a eles, porém, o autor não consegue desenvolver a história, não explorando muito os temas aplicados no livro, seja da descoberta de Tretch, a temática do bullying, e ainda, a temática do amor x amizade. Isso de certa forma me deixou um pouco decepcionada durante a leitura do livro, principalmente quando cheguei em seus capítulos finais.

P.S.: Finalmente voltei no ‘tempo’ e estou postando o último livro da maratona que foi, olha só, em agosto. Mas, aos poucos vou colocando as coisas em dia por aqui

[Resenha] #LIVRO 22 /2016 – HARRY POTTER AND THE CURSED CHILD BY J.K. ROWLING, JOHN TIFFANY E JACK THORNE

Cursed

Título: Harry Potter and the Cursed Child (Harry Potter #8)

Parts I & II (Special Rehearsal Edition)

 Autor: J.K. Rowling

John Tiffany e Jack Thorne

Editora: Scholastic Inc.

Páginas: 320

 

The Eighth Story. Nineteen Years Later.

Based on an original new story by J.K. Rowling, Jack Thorne and John Tiffany, a new play by Jack Thorne, Harry Potter and the Cursed Child is the eighth story in the Harry Potter series and the first official Harry Potter story to be presented on stage. The play will receive its world premiere in London’s West End on July 30, 2016.

It was always difficult being Harry Potter and it isn’t much easier now that he is an overworked employee of the Ministry of Magic, a husband and father of three school-age children.

While Harry grapples with a past that refuses to stay where it belongs, his youngest son Albus must struggle with the weight of a family legacy he never wanted. As past and present fuse ominously, both father and son learn the uncomfortable truth: sometimes, darkness comes from unexpected places. (retirado do skoob).

Como poucos devem ter percebido, eu sou um pouco viciada na série Harry Potter (você jura? Lol) e como não podia deixar de ser, estava mais do que ansiosa para ler Harry Potter and the Cursed Child desde o dia em que ele foi anunciado. Então, não deu pra segurar a ansiedade e eu acabei comprando ele em inglês mesmo. Esperar até o lançamento nacional ia me matar de ansiosidade.

Antes de mais nada, gostaria de esclarecer, para as pessoas que acompanham minha jornada dos 42 livros, que sim, eu pulei os outros livros que deveria resenhar, para vir falar de Harry Potter! Sim, pretendo voltar e resenhar os outros livros que faltam, mas como eu tenho meu controle de leituras, decidi deixar as numerações originais, por isso, meus post pularam do livro 18 para o 22. Em seguida, vou voltar postando eles com suas respectivas numerações. – Agradecemos a compreensão! – .

Primeiramente, vou comentar aqui o fato de que quando peguei esse livro para ler, alguns amigos já tinham realizado a leitura e todos eles me disseram que eu leria o livro em questão de meia hora, que seria uma leitura rápida! E não deu outra. Quando eu comecei a ler, não conseguia mais parar, e só o fiz quando o livro terminou.

Antes de falar da história em si, vou comentar a estrutura do livro.

O livro físico:

A capa dele é só um revestimento de papel, como vemos ali na foto. Um pouco ruim, para pessoas que como eu que  gostam de carregar o livro na bolsa, mas a vantagem é que, como podemos ver segunda imagem, o livro é lindo sem esse revestimento. Bem aqueles livros antigos que a gente vê em biblioteca. Fiquei encantada.

Sobre o livro em si:

Como alguns já sabem, Harry Potter and the Cursed Child surgiu como uma peça de teatro, e supostamente, não deveria ter um livro. Muitos fãs que não teriam a chance de ver a peça reclamaram e por fim a publicação do livro foi anunciada. Por que isso é importante?

O livro foi lançado como surgiu, como o roteiro de uma peça de teatro. Então, diferente dos outros livros em que tudo é muito bem detalhado e escrito, Cursed Child é baseado em suma em diálogos, em que as ações silenciosas dos personagens se dá por simples passagens descritivas: “tal personagem entra em cena e se junta aos demais”, “tal personagem envia um correio coruja”.

Confesso, de início é meio estranho esse formato, e levei um tempo para me acostumar, mas, devo dizer que essa forma traz uma leitura mais dinâmica, um dos motivos pelo qual a leitura do livro é rápida.

Agora, a história.

Desde o começo eu havia tirado todas as expectativas que eu tinha sobre ela, e foi a melhor coisa que fiz. Com isso, pude aproveitar muito o enredo do livro e adorar.

Primeiro, temos que ter em mente que o livro não é continuação da série Harry Potter em geral, então não vão ler o livro achando que vão ver aventuras do famoso trio como foram nos outros sete livros. Aliás, nesse livro Harry Potter nem mesmo é o personagem principal, assim como os demais personagens originais da série, eles são todos apenas parte de uma história muito maior.

O livro começa examtamente no trecho em que o Relíquias da Morte terminou: Albus Severus, o segundo filho de Harry e Gina está embarcando para seu primeiro ano em Hogwarts, em que o menino está ansioso quanto ao seu futuro: “E se eu cair na sonserina?” ele questiona.

A narrativa se passa em torno do dia-a-dia de Albus Severus Potter, filho de Harry Potter e Gina Weasley. Nascido em uma era em que seu pai é um grande herói, o menino se vê perdido quanto a sua própria identidade.

Albus é descrito como um menino quieto, inseguro, inocente e incompreendido. Sonserino, passa a ser o melhor amigo de ninguém menos que Scorpios Malfoy, menino que devido à sua origem sofre com o preconceito de outros bruxos.

Aqui nasce mais uma história de amizade incondicional. A tradicional caracterísica da saga, que focou muito nesse tema.

Nesse meio tempo, o mal, aquele que foi vencido com a derrota de Voldemort, parece estar tentando voltar e ganhar forças. No meio disso tudo, rumores de que Voldermort deixou na Terra um herdeiro se tornam cada vez mais fortes.

O livro foca também nos personagens da série original tentando se adptar ao mundo adulto, trabalhar para o ministério, ter a vida atribulada e claro, tentar ser pais responsáveis na criação dos filhos.

Principalmente Harry, que tem dificuldades de alcançar Albus. E é a partir da insatisfação do relacionamento deles que toda história começa. Aliás, uma das coisas que detestei no livro. Passei muita raiva com as atitudes de Harry, que dava muitos foras no quesito ser pai. Que coisa, dava vontade de dar uns socos nele pra ver se ele acordava pra vida.

Harry Potter and the Cursed Child é sim um bom livro, quando você passa a perceber que ele não é uma continuação da famosa série, e passa a aceitá-lo como uma história paralela. Eu gostei muito. Foi muito legal, depois de tantos anos, poder ter de novo contato com os personagens que fizeram parte da minha adolescência inteira.

[Livros em Série] Maze Runner – Correr ou Morrer (e previsão de lançamento de livro novo à vista!)

A saga Maze Runner –  Correr ou Morrer é uma série de livros da vertente Ficção Científica com doses – muito boas, aliás – de ação, de autoria de James Dashner. A série é composta por seis livros, sendo que cinco já foram publicados, na ordem:

– Correr ou Morrer

– Prova de Fogo

– A Cura Mortal

– Ordem de Extermínio

– Arquivos

– O Código da Febre

E mais, a Editora V&R Editoras Brasil acabou de anunciar o lançamento do sexto livro da série, “O Código da Febre”, para o mês de OUTUBRO desse ano!

A editora postou em seu twitter @VREditorasBR a seguinte imagem:

MazeRunner-OCódigodaFebre

Influenciada por essa notícia – até o momento, maravilhosa, já que eu sou super fã da série – resolvi fazer um post especial aqui sobre essa saga que eu tanto gosto.

Um lembrete: desses livros, Arquivos é exatamente isso, arquivos que fazem referência a diversas passagens dos três primeiros livros da série, que conta com detalhes algumas cenas importantes, com detalhes, ou visão de outro personagem envolvido.

A série começa com a história de Thomas, um menino que não consegue se lembrar de nada da sua vida, além de seu nome, que acorda em uma caixa metálica, com destino a um local onde encontra diversos meninos que o acolhem e o apresentam a um local conhecido como “A Clareira”, um lugar cercado por gigantescos muros, em que ninguém sabe ao certo o por quê de estar ali, sendo que todos chegaram ao local da mesma forma que Thomas, apenas com a memória do próprio nome e mais nada, sem saber o motivo e como terem ido ali parar. Tudo que sabem é que as paredes que o cercam dão forma a um gigantesco labirinto, sendo que as portas de pedra deste se abrem todas as manhãs e se fecham de noite. Além disso,  a cada trinta dias, um menino é ntregue, sempre seguindo a mesma forma. Ainda, o Labirinto é habitado por criaturas horrendas, que tiram a vida daqueles que ali se perdem à noite.

Até que, após Thomas, todos recebem com surpresa um novo habitante no lugar, uma menina. A única a ser enviada desde sempre ao local, esta traz consigo uma mensagem que abala toda rotina criada pelo meninos que ali habitam, revelando assim o papel de suma importância de Thomas naquele local. Mas para isso, ele precisa descobrir os segredos sombrios que estão escondidos dentro de sua própria mente. E correr, e muito, dentro desse tal Labirinto.

Eu já resenhei os quatro primeiros livros da série aqui no blog:

“Sua vida anterior já não existe mais.

Uma nova se inicia.

Lembre. Corra. Sobreviva.”

Livro 01 – Correr ou Morrer

“O Labirinto foi só o começo.

O pior está por vir.

Lembre. Corra. Sobreviva.”

Livro 02 – Prova de Fogo

“O tempo de mentiras acabou.

Corra. Fuja.

Não há mais tempo.”

Livro 03 – A Cura Mortal

Livro 04 – Ordem de Extermínio

– Nas Telonas –

Além dos livros, a série foi adaptada ao cinema, sendo que A Cura Mortal e Prova de Fogo já tiveram seus filmes exibidos nas telonas. O série enfrentou grandes problemas em seu terceiro filme, A Cura Mortal, em decorrência de um acidente que aconteceu no set de filmagens em que o ator que faz o personagem Thomas, Dylan O’Brien, ficou bastante machucado, tendo a finalização do filme e ainda, sua estréia, sido inclusive questionados.

Tem o fato de que a equipe de produção do filme também foi indicada como responsável pelo acidente, dentre outros detalhes. E ainda, o fato de que a atriz Kaya Scodelario, que faz a personagem Tereza, ter anunciado sua gravidez, durante o tempo em que as gravações estavam interrompidas pelo acidente de Dylan.

Assim , para desespero dos fãs, a estréia do filme estava com estréia indefinida.

Mas, esse mês de agosto, a produtora do filme soltou uma nota com uma nova data de estréia para o filme: 11 de janeiro de 2018.

Apesar do alívio para os fãs da série, em saber que o filme da franquia vai de fato chegar as telonas, mas, sim, a espera será torturante, uma vez ser num futuro tão distante.

 

– Considerações Pessoais –

 

Maze Runner é uma série incrível, que eu gosto muito. Os livros são muito bons, principalmente os três primeiros. A pre-sequel, Ordem de Extermínio, não me contagiou tanto.

Os personagens são super bem construídos e completamente cativantes. E os filmes foram muito bem adaptados – eu gostei – apesar de sim, terem grandes mudanças quanto aos livros, como sempre acontece nesses casos.

Super recomendo.

E agora, é a hora pior pro fã, a espera do lançamento do novo livro da série. Outubro tá chegando!!!

#Livro 18 e #MLI2016 – O Destino da Número Dez (Os Legados de Lorien #06) by Pittacus Lore

CAPA_ODestinoDosDez_WB.jpg

Título: O Destino da Número Dez

(Os Legados de Lorien #06)

 Autor: Pittacus Lore

Editora: Intrínseca

Páginas: 320

Dessa vez vou colocar o alerta spoiler bem aqui, uma vez que para quem não leu nenhum dos livros da saga Legados de Lorien, o resumo do livro em si já é um spoiler gigante. Só vá em frente se você tiver certeza de que receber infos sobre o livro – e uma série inteira – não irá prejudicar sua leitura, nem deixar você bravo – ou seja, se você for sensível quando o assunto é spoiler – no mais, posso dizer que se você não conhece a série, eu particularmente acho que ela vale muito a pena. Eu na verdade tentei fazer uma resenha sem muita informação que entregue a história, mas como eu já tinha comentado em um post anterior aqui no blog, é impossível escrever sobre um livro em série, quando esse já é o sexto livro dela. Mas, se rolar interesse quanto à saga, e você ainda não leu nada sobre ela e prefere começar do começo, tem resenha de todos os livros aqui no blog e um resumão da série até o momento também.

Eu sou o número quatro

O poder dos seis

A ascensão dos nove

A queda dos cinco

A vingança dos sete

Livros em Série – Os Legados de Lorien

 

 

A Número Um foi capturada na Malásia.

A Número Dois, na Inglaterra.

O Número Três, no Quênia.

E o Número Oito, na Flórida.

Mataram todos eles.

Eu sou a Número Seis.

Mas nossos números não tem mais importância.

Agora não somos mais os únicos com Legados.

O fim está próximo. Por anos, a Garde lutou contra os mogadorianos em segredo. Mas agora a invasão começou e os mogs vieram para ficar. John lidera a batalha em Nova York. Quando tudo parece estar contra os lorienos e a humanidade, Sam, seu melhor amigo, inexplicavelmente começa a desenvolver poderes – os Legados. Enquanto os dois tentam encontrar Cinco e Nove em meio ao caos e à destruição, eles se deparam com uma adolescente com habilidades que antes pertenciam apenas aos Gardes. Se ela é uma inimiga ou aliada, só o tempo dirá.

A Garde está enfraquecida, lutando para sobreviver. A única chance de vencer a guerra contra os mogadorianos de uma vez por todas é destruir seu líder – mas destruí-lo significa condenar Ella a um destino cruel. Se os Gardes não encontrarem uma forma de deter os mogs, acontecerá com os humanos o mesmo que aconteceu com os lorienos: todos serão aniquilados. (retirado do skoob)

O que dizer desse livro?

Tudo começa pelo fato do livro anterior ter acabado bem na hora em que as coisas estavam ficando tensas entre a Garde e Setrákus Rá. Nova York destruída, parte do mundo dominado pelos mogadorianos, a humanidade ameaçada e completamente assustada. Para piorar, a Garde não pode ferir Setrákus Rá sem que Ella seja também afetada.

A Garde ainda tem outro problema, Nove e Cinco estão em conflito em algum lugar dos EUA, John e Sam tentando encontrá-los. Enquanto isso Seis e Marina, juntamente com Adan, estão no Templo Lorieno, e não tem como sair do lugar, uma vez que foram sabotados por Phiri Dun-Ra.

Mas nem tudo parece estar perdido. John e Sam encontram pelo caminho na busca de Nove e Cinco uma menina que parece ter desenvolvido poderes de telecinesia, assim como Sam. O problema é que ela não parece lá muito confiável, uma vez que está confusa com tudo que anda acontecendo na Terra e na sua vida, agora com poderes especiais alienígenas.

No meio dessa confusão, Ella entra em contato com John, tentando lhe passar informações úteis contra Setrákus Rá, informando ainda que os planos dele incluem atacar o Templo de Lorien, local onde se encontram Seis e Marina. John então passa a tentar pensar em um plano que inclui achar Nove e Cinco e ainda, avisar aos outros que eles correm perigo se permanecerem no Templo.

Aí é que surgem agentes do FBI que os abordam, obrigando John, Sam e a nova menina, a se reunirem com a Agente Walker e outros agentes da inteligência americana, que querem que a Garde lhes forneça informações para parar a invasão mogadoriana.

O grande problema para a Garde é a politicagem – como tudo na vida – uma vez que os grandes representantes do país estão inclinados a negociar com os mogs, tentando evitar a todo custo um confronto direto com eles. O problema é que a exigência é que o governo entregue os Gardes.

Em meio a negociações John consegue entrar em contato com Seis, sendo que ao avisar que Setrákus Rá está se dirigindo para lá, decidem ficar e tentar proteger o local, com a promessa de John de que este vai tentar se juntar a eles.

Então, tudo desanda. O local onde John se encontra sofre uma ataque de uma criatura estranha, Setrákus Rá alcança o Templo de Lorien, e entra em luta com Seis, Marina e Adan. Tudo parece perdido. Até que surge uma ajuda inesperada aos protetores do Templo. Muita luta e explosões e uma interferência inesperada de Ella, com uma conferência da Garde, que pode mudar todo o rumo da história.

O livro é muito bom. Eu sou suspeita para falar, claro, sendo fã incondicional da série. Apesar do livro ser mais parado em alguns momentos, sem muita ação, foram interferências necessárias para dar um rumo a trama, introduzindo o roteiro do próximo livro, que é aliás, o último da saga, além de explicar muuuitas coisas deixadas no ar nos livros anteriores. É basicamente um livro de ligação da série para o seu final.

A ação fica deslocada para o final do livro, terminando de forma crítica, bem naquela hora que quem está lendo está tão absorto nos fatos, que quando acaba bate até uma revolta pelo autor terminar o livro daquele jeito. O gancho para o próximo livro foi feito de forma espetacular.

A pior parte do livro é ter que esperar para ler a continuação. O último livro da série – que eu já comentei sobre por aqui – já foi lançado fora do Brasil. Estou me segurando para não ler ele em inglês, mas como tenho todos os livros da série na versão brasileira, decidi esperar até o final do ano para ler. Agonia total nessa espera.

Como sempre, super recomendo a leitura da série. Acho ela incrível em diversos aspectos!

P.S.: Finalmente saiiiuu a resenha. No fim, decidi pelo alerta spoiler e fazer uma resenha completa. Estava muito difícil tentar escrever de forma genérica, ainda mais considerando esse ser o penúltimo de uma série inteira.

Aos poucos vou me organizando e colocando as coisas no eixo, melhorando o blog, atualizando. Tenham paciência comigo! ^^

[OFF-TOPIC – DIÁRIO]  Um fim de semana de não leituras e livros novos (e o fato de eu ter começado a jogar PokemonGo)

Sim, estou com resenhas mega atrasadas, mas esse fim de semana foi tão corrido que não usei meu computador nenhuma vez antes desse presente momento.

Recebi a visita de uma amiga que mora em outro Estado, que ficou hospedada aqui em casa, e aproveitei que ela veio para ver alguns de nossos velhos amigos da época do cursinho pré-vestibular – como o tempo passou o.õ – e revi outros amigos também. Muitas risadas, lembranças, atualizações. E claro, muito PokemonGo.

Porque eu, como uma pessoa que cresceu assistindo ao anime, jogando os diversos jogos da franquia, já estava ansiosa esperando pela chegada do jogo ao Brasil.

Com isso, saindo pra andar e caçar pokemons, reduzi meu tempo de leituras, mas nada que prejudique – muito – o objetivo final da leitura dos 42 livros – apesar que essa, mesmo sem o jogo, já andava um pouco ameaçada –.

Hoje inclusive, terminei a leitura do 20º livro do ano, me colocando perto da metade da meta, com o cronograma um pouco atrasado. Talvez 2016 não seja o ano certo para completar a meta, mas não desisti. Estou com diversos livros bons para ler, inclusive, o motivo do post, além de uma atualização de leve,  é mostrar meus livros novos que chegaram essa semana!

20160805_164035_mr1470497536194.jpg

Comprei pela Amazon, que estava com uma promoção bem tentadora, e, não resisti.

Finalmente adquiri o livro Clube da Luta do Chuck Palahniuk, que há tempos está na minha lista de leituras desejadas, e ainda, The Monogram Murders: The New Hercule Poirot Mystery da Sophie Hannah, em uma continuidade as ‘aventuras’ do famoso personagem de Agatha Christie, sendo esse em inglês.

Estou fascinada com minhas novas aquisições, mas com muita força de vontade coloquei elas no final da minha lista, na ordem de leitura programada até então, até porque a fila está grande, e tem muita coisa pra eu ler ainda ^^.

P.S.: Sim, eu preciso terminar as resenhas. E sim, eu preciso terminar algumas leituras que eu havia iniciado antes da MLI2016 e que agora estão um pouco encalhadas. Mas precisava compartilhar minhas novas aquisições então uma atualizada de leve, só pra não passar em branco ;).

[OFF-TOPIC – DIÁRIO] the road so far … #MLI2016 (ou como o flop dessa vez não me alcançou! xD)

E finalmente a Maratona Literária de Inverno 2016 coordenada pelo canal Geek Freak chegou ao seu fim.

CmcYTirW8AAFfgP
Foto da primeira semana de maratona. O retrato da derrota da pessoa que passou a madrugada de sábado pra domingo lendo lol.

Vou fazer aqui um apanhado geral mas antes vou falar da última semana de maratona.

O tema  da quarta semana era diversidade e por isso eu escolhi como leitura dessa semana o livro Tudo Pode Acontecer do  Will Walton. No mais, continuo a leitura do O Orfanato da Srta. Peregrine Para Crianças Peculiares e comecei a leitura do Os Contos de Beedle, o Bardo, que é um livro curtinho, mas enquanto meu Cursed Child não chega, to lendo beem devagarzinho mesmo, pra não acabar logo – às vezes eu tenho dessa de não querer que o livro acabe lol –.

Aliás, hoje eu não resisti e comprei mais dois livros, a previsão é eles chegarem na semana que vem. Bateu um peso na consciência sim, porque essa semana limpei minha estante de livros e tirei de lá um monte de livro que eu ainda não li. Mas tudo bem vai, tinha promoção. Não tem como resistir à promoção xD.

Bom, com isso se encerram as atividades da MLI 2016 e posso dizer que dessa vez o flop não me alcançou! Decidi por um número menor de livros do que o ano passado, trabalhei com as minhas limitações e consegui cumprir todas as minhas leituras esperadas e alguns lucros.

E minha TBR da Maratona Literária de Inverno 2016 ficou assim:

  • Semana 1: Encalhados

Nada Dura para Sempre – Sidney Sheldon

  • Semana 2: Hype

Anexos – Rainbow Rowell

  • Semana 3: Outros Mundos

O Destino da Número Dez – Pìttacus Lore

A Lista de Brett – Lori Nelson Spielman

  • Semana 4: Diversidade

Tudo pode acontecer – Will Walton

A minha proposta era ler 4 livros, um por semana, mas consegui encaixar um livro extra na terceira semana, resultando na leitura de 5 livros no período de quatro semanas. Um número razoável e muito positivo, considerando que li mais do que andava lendo esse ano, o que é um objetivo da maratona em si. E, muito feliz porque o flop não me alcançou dessa vez!

Ok vai, estou atrasada com todas as resenhas, mas vou postar elas com o tempo pra tentar deixar o blog em dia. Só preciso me organizar um pouco. Fazer resenha do “O Destino da Número Dez” tem sido difícil. Como escrever sobre um livro sem dar spoiler de uma série inteira? Pois é.

É isso. Um mês de leitura intensa chega ao fim, com muitas leituras agora para serem terminadas. Em breve eu volto com as resenhas e as novidades!