#LIVRO 27 – Uma Questão de Segundos by Coben, Harlan

UMA_QUESTAO_DE_SEGUNDOS_1371136750B

Título: Uma Questão de Segundos

Mickey Bolitar # 02

Autor: Harlan Coben

Editora: Arqueiro

Páginas: 224

Mickey Bolitar nunca teve uma vida normal. Até os 15 anos, ele morou em diversos países por causa do trabalho beneficente dos pais. Quando, por fim, os três se estabeleceram nos Estados Unidos, o pai morreu em um acidente de carro e a mãe acabou internada em uma clínica de reabilitação. Forçado a morar com seu tio Myron, Mickey descobre que está sendo vigiado por uma organização secreta chamada Abrigo Abeona e começa a investigá-la.

Uma das poucas pessoas que podem ajudá-lo é dona Morcega, uma vizinha reclusa e de passado obscuro, mas suas revelações geram mais confusão. Quando mostra a Mickey a foto de um nazista cruel que perseguiu a família dela, ele reconhece o paramédico que anunciou a morte de seu pai. Será que o homem mentiu e Brad Bolitar ainda está vivo?

Enquanto Mickey é assombrado pelas dúvidas, a tragédia se abate sobre a cidade de Kasselton. Durante um suposto assalto, a mãe de sua amiga Rachel Caldwell morre e a garota é baleada. Com receio de que o incidente seja mais um ataque às pessoas que estão ligadas ao Abrigo Abeona, Mickey se junta aos amigos Ema e Colherada para descobrir quem é o criminoso.

Nesta sequência da série iniciada com Refúgio, Mickey precisa correr para proteger aqueles que mais ama, ainda que não saiba exatamente quem é o inimigo(retirado do skoob)

Esse é o segundo livro dessa série jovem do autor Harlan Coben.

Como havia dito no post sobre o primeiro livro, fiz lambança ao realizar a leitura dessa série, tendo lido esse que é o segundo livro primeiro.

Reparei sim que tinham alguns buracos na história, me voltando a ler o Refúgio, primeiro livro da série, até que descobri que além de tudo, essa história é adventa de outra série desse autor.

Problemas e decepções a parte, devo dizer que os mistérios apresentados por esse livro foram o que me levaram a buscar os outros livros da série.

Um menino envolvido com uma misteriosa organização o Abrigo Abeona, e ainda, tentando descobrir a verdade que o concerne quanto a morte de seu pai (referência ao primeiro livro da série e ainda mais, ao livro da série Myron Bolitar, do mesmo autor).

Quando mais investiga, com a ajuda de seus inseparáveis amigos, mais perguntas surgem á Mickey.

E além de tudo, agora ele tem mais um problema. Rachel, que o ajudou no primeiro livro, sofre um misterioso atentado a sua vida. Um assalto a sua casa levou sua mãe e a deixou ferida no hospital.

O mais estranho de tudo é o fato de que Mickey não consegue chegar até Rachel. Aparentemente muitas coisas a “protegem” depois dessa terrível situação. Mas qual seria a verdade? Tudo se torna ainda mais obscuro ao se descobrir que a menina está bem, apesar de ainda estar no hospital, e que estão proibindo que Mickey entre em contato com ela. Além disso, aparentemente o Abrigo Abeona tem algo a ver com a história toda.

É complicado falar de livros policiais sem remeter a spoilers. Mas os mistérios desse livro conseguiram me prender a leitura, que foi aliás bem rápida.

A repetição em cima de alguns fatos, assim como no primeiro livro, permanece e de fato me incomodou um pouco.

Uma das grandes questões do livro é que ele não dá uma resposta aos mistérios iniciados no Refúgio, apenas demonstrando sobre o problema que ronda Rachel e o atentado a sua vida.

Isso pode tornar a leitura um tanto frustrante, motivo pelo qual a leitura do terceiro livro se torna necessária. Principalmente para pessoas que como eu adoram um livro policial e que são curiosas para descobrir as respostas dos livros.

É uma leitura bastante simples. Apesar de não ser muito fã de Coben, como dito em post anterior, essa série conseguiu captar minha atenção.

Anúncios

#MLI2015 e #Livro 18 – A Morenhinha by Macedo, Joaquim Manuel de

A_MORENINHA_1398969625B

Título: A Moreninha

Autor: Joaquim Manuel de Macedo

Editora: FTD

Páginas: 155

O romance A Moreninha conta a história de amor entre Augusto e D. Carolina (a moreninha). Tudo começa quando Augusto, Leopoldo e Fabrício são convidados por Filipe para passar o feriado de Sant’Ana na casa de sua avó. Os quatro amigos estudantes de medicina vão para a Ilha passar o feriado e lá encontram D. Ana, a anfitriã, duas amigas, a irmã de Filipe, D. Carolina e suas primas Joana e Joaquina. Antes de partirem Filipe havia feito uma aposta com Augusto: se este voltasse da Ilha sem ter se apaixonado verdadeiramente por uma das meninas, Filipe escreveria um romance por ter perdido a aposta. Caso se apaixonasse, Augusto é quem deveria escrevê-lo.

Augusto era um jovem namorador e inconstante no amor. Fabrício revela a personalidade do amigo a todos num jantar, o que faz Augusto ser desprezado pelas moças, menos por Carolina. Sentindo-se sozinho, Augusto revela a D. Ana, em uma conversa pela Ilha, que sua inconstância no amor tem a ver com as desilusões amorosas que já viveu e conta um episódio que lhe aconteceu na infância. Em uma viagem com a família, Augusto apaixonou-se por uma menina com quem brincara na praia. Ele e a menina ajudaram um homem moribundo e, como forma de agradecimento, o homem deu a Augusto um botão de esmeralda envolvido numa fita branca e deu a menina o camafeu de Augusto envolvido numa fita verde. Essa era a única lembrança que tinha da menina, pois não havia lhe perguntado nem o nome.

O fim de semana termina e os jovens retornam para os estudos, mas Augusto se vê com saudades de Carolina e retorna a Ilha para encontra-la. O pai de Augusto, achando que isso estava atrapalhando seus estudos, proíbe o filho de visitar Carolina. Depois de um tempo distantes, Augusto volta a Ilha para se declarar a Carolina. Mas ela o repreende por estar quebrando a promessa feita a uma garotinha há anos atrás. Augusto fica confuso e preocupado, até que Carolina mostra o seu camafeu. O mistério é desfeito, e, para pagar a aposta, Augusto escreve o livro A Moreninha. (retirado de Educação. Globo )

Finalmente, o último livro que li para a Maratona Literária de Inverno 2015. Não consegui terminar de ler toda a minha lista, mas consegui ler todos os “desafios”.

Esse cumpre o último deles:

• Um livro com a capa azul

E ainda, incluiu um livro nacional na minha lista de leitura.

Confesso que deveria ter lido esse livro anos atrás, na época da escola. Naquele tempo, li as primeiras páginas e logo o coloquei de lado. Tinha achado o livro muito chato.

Pegando para lê-lo quase dez anos depois, estando mais velha – não sei ao certo se posso dizer que mais madura, em todo caso – mas consegui encontrar uma certa beleza nessa leitura.

Sim, continuo achando a forma de narrativa do autor um tanto poluída, o que deixa o texto um pouco entendiante.

Mas, enxergando além da narrativa, a história em si é interessante.

Não é a melhor história que já li, nem a mais original, apesar que se considerarmos a época em que ela foi lançada, ela deveria o ser. Por agora, já li diversos textos com temas muito parecidos.

A promessa de amor feita ainda criança, a negação do amor e a tentativa de se encontrar a felicidade.

Não é um dos melhores livros nacionais que já li, mas não é tão ruim quanto eu li pelas resenhas da internet.

É sim de fato uma leitura difícil.

E com isso, encerro os posts da MLI2015!~

Agora, é voltar a ler … faltam mais 24 livros para alcançar a meta de leitura do ano! lol

#MLI2015 – Maratona Literária de Inverno 2015 ~ Feedback

11062936_1654467151448965_3844342147860083180_n

E a Maratona Literária de Inverno 2015 chegou ao fim.~

Da minha lista de leitura pretendida no início desse desafio literário, consegui ler quatro livros, sendo que ainda falta fazer o post do último livro lido – A Moreninha -.

Com isso, consegui cumprir todos os desafios propostos, sendo esse último o desafio que faltava – ler um livro de capa azul -. Contudo, Porém, Entretanto. Sim, eu falhei em cumprir minha TBR – to be read -, deixando de ler os livros da série O Guia dos Mochileiros da Galáxia.

O tempo em si era razoável, mas aconteceram tantas coisas na minha vida durante o período em que ocorreu a Maratona, que devo dizer que terminar 04 livros foi um feito e tanto.

Nunca havia participado de um evento como esse, mas achei muito interessante. Foi uma forma de impulsionar minhas leituras que estavam um pouco empacadas esse ano.

Então, apesar de ter flopado miseravelmente em cumprir todas as leituras pretendidas, consegui ao menos ler todos os livros relacionados aos desafios propostos pela maratona, e ainda, considero o saldo de leitura muito positivo, considerando que vinha lendo um livro por mês e olhe lá.

Agora voltar à uma rotina de leitura mais constante – eu espero – para poder alcançar meu objetivo final que é o de ler 42 livros esse ano.

Para algumas pessoas esse número é pequeno, algumas pessoas leram praticamente essa quantidade durante o um mês de maratona, e eu pretendo ler em um ano. Mas cada um no seu tempo e no seu ritmo, mas que aproveite cada leitura, certo? xD

Agora é hora de tentar escolher quem será a próxima leitura.

Os livros que não li na maratona, e que floparam minha TBR, não estão sendo considerados por hora. Eu tentei lê-los mas não consegui prosseguir na leitura. Não é uma desistência, mas estou “dando um tempo”.

Depois eu faço o post do livro 18 desse ano, minha leitura final da maratona: A Moreninha.

#MLI2015 e #Livro 17 – O Iluminado by King, Stephen

IMG_20150710_015019.jpg

Título: O Iluminado

Autor: Stephen King

Editora: Suma das Letras

Páginas: 447

O Iluminado – O Overlook, no Colorado, era considerado o mais belo e luxuoso hotel de qualquer balneário do mundo. Durante a temporada de inverno, o estabelecimento permanece fechado. Naquele inverno, contudo, seu zelador era Jack Torrance, um escritor frustrado, ex-professor de inglês, alcoólatra e temperamental, para quem aquele emprego representava um novo caminho aberto à sua frente, a esperança de apagar seus insucessos passados. Sua mulher, Wendy, também via naquele refúgio no meio da neve a esperança de salvar um casamento que já lhe dera muitas experiências amargas. E há também Danny, o filho de cinco anos do casal. Abençoado – ou amaldiçoado – por poderes que lhe permitiam ver tanto o futuro quanto o passado e comunicar-se, independentemente da distância, com outros iluminados como ele, todo o terror que pasas a cercá-lo lhe foge à compreensão de criança.

Stephen King, digno e magnífico discípulo de mestres do gênero terror e suspense como Edgar Allan Poe, é um excelente narrador, que conhece como ninguém as fendas do cotidiano e apresenta personagens comuns em situações corriqueiras que, pouco a pouco, vão entrando numa atmosfera a princípio salpicada de elementos incomuns até que de repente o horror se instala – e arrebata tanto o personagem quanto o leitor. (retirado do Skoob)

Esse livro entrou na minha lista de leitura por causa de um dos desafios da Maratona Literária de Inverno 2015. Na verdade ele cumpre três categorias ao todo:

• Um livro que alguém escolheu por você

• Um livro que já virou ou vai virar uma adaptação cinematográfica

• Um livro com mais de 400 páginas

E foi nessa de ler “um livro que alguém escolheu por você” que acabei lendo este livro. Quando me inscrevi nessa maratona, ao ver esse desafio, pedi para uma amiga me recomendar uma leitura. Ela me passou algumas opções, sendo O Iluminado uma delas. Assim, ela acabou me emprestando o livro para que eu o lesse.

Este é um gênero de livro que eu raramente leio. A verdade é que morro de medo desse tipo de coisa, sou paranóica ao extremo e me assusto com facilidade. Por essas e outras, livros de terror realmente não fazem a minha praia.

O Iluminado é exatamente o tipo de leitura que eu tempo ao máximo evitar. S. King tem um jeito todo com as palavras. Com uma narrativa em terceira pessoa, ele consegue te trazer pra dentro da história, em que barulhos e sussurros retratados parecem muito reais.

A forma como ele mexe com o psicológico do leitor de uma forma ou de outra é realmente interessante.

E ainda, seu estilo de narrativa é muito interessante. Ele escolheu colocar como um vilão um ser inanimado, um hotel. E através da ganância e/ou obsessão humana, deu vida a esse “personagem”.

A ideia de ter também parte da narrativa assustadora em um personagem criança também tem seu papel. Principalmente nos momentos em que o autor retrata seus pensamentos ante as adversidades.

Não vou comentar muito da história pra não dar spoiler,  mas pra quem gosta dessas coisas de seres, vozes, sustos e etc, esse é um bom livro.

Agora se você é como eu . . . é uma boa leitura, ela flui e a forma como o autor narra é de simples compreensão, mas que eu fiquei meio paranóica depois de ler, eu fiquei.

 

#MLI2015 e #Livro 16 – Artmis Fowl – Graphic Novel by Colfer, Eoin

ARTEMIS

Título: Artmis Fowl – Graphic Novel

Autor: Eoin Colfer

Ilustrado por Guovanni Rigano e Colorido por Paolo Lamanna

Editora: Galera Record

Páginas: 120

Artemis Fowl e história em quadrinhos: uma união perfeita. Nesta adaptação para os quadrinhos do grande sucesso de vendas Artemis Fowl – O menino prodígio do crime, os fãs poderão conhecer, pela primeira vez, o rosto do jovem herdeiro do clã Fowl. A graphic novel reconta a história do primeiro volume da série, acompanhando as aventuras do jovem gênio do crime, Butler, Holly Short, Palha, Raiz e muitos outros em uma sofisticada edição colorida. Retirado do Skoob)

Esse livro cumpre um dos desafios da Maratona Literária de Inverno 2015 proposta pelo cana Geek Freak:

Um livro com figuras ou ilustrações

Comece e/ou termine uma série, trilogia ou duologia

A verdade é que eu já havia lido Artemis Fowl: O Menino Prodígio do Crime há anos, na forma de livro. E li alguns outros da série, mas infelizmente empaquei nela por não ter a verba para completar a coleção lol

Minha irmã ganhou esse Graphic Novel tem um tempo e eu pensei ” Por que não?”.

A Leitura dele é muito fácil e tranquila, e super rápida também.

Minha maior relutância em lê-lo era a de que talvez tivessem destruído a história em face do limite de páginas, mas não foi o caso.

Claro, alguns detalhes acabaram ficando de fora, mas todos os pontos importantes, e que fazem a história de Artemis Fowl ser Artemis Fowl, e ser tão fascinante, estão presentes.

Uma das atrações mais legais de Artemis Fowl é a de que Colfer conta sua narrativa tendo como personagem principal um vilão.

Os desenhos do Graphic ficaram muito bem feitos, e apesar de os personagens terem sido retratados um pouco diferentes do que imaginei quando li o livro, foi bem interessante vê-los de fato retratado.

É quase a mesma sensação de ver um filme baseado em um livro que você leu antes e que havia imaginado como cada personagem seria, vendo-os na pele de um ator.

Pelo que eu li na internet, a versão Graphic do próximo livro da série já foi lançado. Está na minha lista de aquisições desejadas xD

E sim, livro 16 de 42 lido! E mais um livro da #MLI2015 lido! xD

As leituras estão indo devagar e sempre. Mas pelo menos estão indo.

#MLI2015 e #Livro 15 – Se Houver Amanhã by Sheldon, Sidney

SE_HOU-1 (1)

Título: Se Houver Amanhã

Autor: Sidney Sheldon

Editora: Saraiva

Páginas: 434

Se Houver Amanhã – Neste romance, Sheldon cria uma heroína, Trace Whitney, ao mesmo tempo ingênua e fascinante. Atraente e idealista, suas únicas armas são a inteligência e a beleza. O duelo é contra um intocável mestre do crime, que tentou mante-la presa numa cadeia de segurança máxima por 15 anos. Expert na condição de narrativas, Sheldon enreda a personagem numa série de extraordinárias fugas, fazendo-a rodar pelo mundo todo. Em uma dessas cenas frenéticas, Tracy encontra o igualmente irresistível Jeff Stevens, com um passado tão recheado e instigante quanto o dela. Mais um bestseller do mestre do suspense, em que o leitor não consegue prever o final antes que o próprio Sheldon o revele!

Em suma, a história de uma mulher que se recusa a ser uma vítima. (retirado de Skoob )

Para a Maratona Literária de Inverno 2015, esse livro completa dois desafios para mim:

Um livro que você ganhou
Um livro com mais de 400 páginas

Eu ganhei esse livro há anos da minha irmã. E ali ele ficou na estante. Aproveitei a Maratona Literária de Inverno 2015 para desafogar alguns livros e esse foi o primeiro.

Tendo que fazer uma viagem de última hora, esse foi o livro que me acompanhou.

O livro é narrado em terceira pessoa e conta a história de Tracy Whitney. No início, apesar da vida feliz que ela aparentemente vive, por causa de um acontecimento trágico, tudo desanda. E assim, esta é colocada em uma sucessão de acontecimentos ruins, sendo transformada em vítima de diversos esquemas de poder, indo parar na cadeia.

Após essa parte inicial do livro, passa-se então em um segundo momento a narrar a vida de Tracy em sua jornada na cadeia.

Assim, após esse segundo momento, após sair da prisão, o livro passa a acompanhar a tentativa de Tracy de retomar sua vida. A primeira coisa que esta tem em mente é sua vingança contra aqueles que se uniram para prejudicá-la.

E enfim, tentar retomar sua vida.

Porém, aqui Tracy demonstra seu lado até que inocente, ao ser rejeita de volta no seu antigo emprego. Essa passagem é bem sutil aliás. Quem lê nas entrelinhas, percebe que ela volta ao local de trabalho anterior a sua prisão acreditando ser recebida de volta pois seu chefe no inicio do livro teria lhe dito que ela era uma excelente funcionária. Mas, uma coisa que se tem no começo do livro é o fato de que seu chefe teria lhe dito isso apenas pelo fato de que à época esta namorava um poderoso empresário.

Então, a sua única solução foi a de entrar para o mundo do crime.

Com uma forma de pensar privilegiada, ela se torna uma ladra bem sucedida, inclusive sendo caçada pelas melhores equipes de investigação do mundo.

Nesse meio tempo ela conhece Jeff, um homem charmoso e claro, golpista. E apesar de muitas brigas, é ao lado dele que ela finalmente encontra alguma felicidade.

O diferencial desse livro é a forma como os golpes são descritos pelo autor. Os detalhes, as ideias … É tudo de uma criatividade incrível. Me peguei lendo sem parar, sempre querendo saber o próximo passo.

Para pessoas como eu que adoram livros de romance policial, esse é um livro mais do que recomendado.

[Off-topic] #MLI2015 – Maratona Literária de Inverno 2015

IMG_20150706_023116[1]

Sumi, e assumo, não li nada nesse período. E não, eu não tinha muita coisa pra fazer.

Maaaas, agora não tem mais desculpas. Começou -e sim, esse post está totalmente atrasado- a Maratona de Inverno 2015 realizada pelo canal Geek Freak. Fui convidada por uma amiga a participar do evento e pela primeira vez estou participando de algo desse tipo, que envolve leitura. Posso dizer que estou empolgada com a ideia.

E o que é a tal da Maratona Literária de Inverno 2015?

A Maratona Literária de Inverno 2015 consiste em um desafio de LEITURA INTENSA durante o período de um mês (de 06 de Julho a 03 de Agosto). Durante esse mês, todos os participantes são encorajados a ler uma quantia maior de livros do que a que estão acostumados. Ao longo da Maratona, a interação com os inscritos será feita através das redes sociais Facebook, Twitter e Youtube. Para mais informações e detalhes sobre como participar, confiram o vídeo de apresentação do projeto logo acima.

O evento está criado no facebook: #MLI2015, mas as inscrições já foram encerradas (eu disse, post atrasado).

Assim sendo, alguns desafios foram propostos, para que as pessoas participantes montassem suas TBR (To be read) ou lista de leitura.

Ao montar a sua TBR (to-be-read / livros a serem lidos), os inscritos são livres para escolher se desejam participar das semanas temáticas, que funcionarão da seguinte forma:

• Semana 1: Fantasias, Distopias e/ou Ficção Científica
• Semana 2: Thriller, Suspense e/ou Terror
• Semana 3: YA Contemporâneo, Romance e/ou Drama
• Semana 4: Livros Nacionais

Além das semanas temáticas, dessa vez teremos novos desafios que contarão pontos para os sorteios:
• Um livro com figuras ou ilustrações
• Comece e/ou termine uma série, trilogia ou duologia
• Um livro que alguém escolheu por você
• Um livro que já virou ou vai virar uma adaptação cinematográfica
• Um livro com a capa azul
• Um livro do gênero que você menos leu ano passado
• Um livro que você ganhou
• Um livro com mais de 400 páginas

Eu encaixei minha leitura na sugestão das semanas temáticas, mas não planejei de alguma forma seguí-las. Apesar de já ter começado a maratona, eu ainda não decidi o que vou começar a ler primeiro Lol. Mas apesar da demora e de muito pensar, finalmente terminei o que -ao menos pretendo- ler esse mês de desafio.

Como os livros escolhidos -que estão na foto do início do post xD- podem se encaixar em mais de uma categoria, eu selecionei 07 livros que se encaixam nos 08 desafios acima citados, e eles são:

• Um livro com figuras ou ilustrações: Artemis Fowl: O Menino Prodígio do Crime do Eoin Colfer, versão Graphic Novel.

Eu já li o livro, mas essa versão está aqui em casa há anos e eu nunca me li antes.

• Comece e/ou termine uma série, trilogia ou duologia: A Vida, O Universo e Tudo Mais, Até Mais e Obrigado pelos Peixes! e Praticamente Inofensiva do Douglas Adams, da série O Guia do Mochileiro das Galáxias. Comecei a série a anos, mas nunca terminei. Agora é a hora de motivar o final dessa leitura. E Artemis Fowl: O Menino Prodígio do Crime do Eoin Colfer, versão Graphic Novel.

• Um livro que alguém escolheu por você

• Um livro que já virou ou vai virar uma adaptação cinematográfica

• Um livro com mais de 400 páginas

O Iluminado de Stephen King.

Pedi para minha amiga Giu me sugerir a leitura de um livro para essa maratona, ao qual ela sugeriu esse livro. Inclusive o livro que eu vou ler foi ela quem me emprestou. Esse é um livro que vai fechar essas três categorias do desafio para mim.

• Um livro com a capa azul

• Um livro do gênero que você menos leu ano passado

A Moreninha de Joaquim Manuel de Macedo.

É um dos livros que eu deveria ter lido para o antigo vestibular, mas que eu nunca terminei. Terminei tantos outros como Iracema, Memórias de um Sargento de Milícias e O Cortiço, mas a Moreninha foi iniciado – umas três vezes, aliás- mas nunca além da página 20.

• Um livro que você ganhou: Se Houver Amanhã do Sidney Sheldon.

Ganhei esse livro da minha irmã há uns 5 anos, mas ele foi ficando na estante.

Um dos motivos de eu ter me proposto a entrar nessa Maratona foi principalmente para motivar a leitura de diversos livros que tenho em casa, que eu algum dia me interessei a ler, mas que no fim foram ficando deixadas de lado.

E que comecem as leituras 😉

[Resenha] #livro 13 – O Clube dos Suicidas by Stevenson, Robert Louis

O_CLUBE_DOS_SUICIDAS_1320715393B

Título: O Clube dos Suicidas

Autor: Robert Louis Stevenson

Editora: Rocco – Jovens Leitores

Páginas: 126

O Clube dos Suicidas – Antecipando-se ao moderno romance policial, numa verdadeira “extravagância literária” para os padrões da época, O Clube dos Suicidas apresenta um grupo de cavalheiros que querem se matar, mas não têm coragem. No intuito de investigar esta curiosa associação, o destemido príncipe Florizel e seu fiel confidente Coronel Geraldine não sabem que, ao entrarem como sócios, podem ser sorteados a assassinar um dos membros, transformando a investigação numa complicada e sinistra aventura. Afinal, quem arquiteta esses crimes sob a fachada do clube?

Nesta novela perturbadora e envolvente, Stevenson, além de entreter o leitor e mantê-lo com os sentidos aguçados da primeira à última página, faz um minucioso levantamento dos costumes do século XIX, conduzindo a ação com admirável desenvoltura e criando personagens inesquecíveis. (retirado do skoob: O Clube dos Suicidas)

O livro O Clube dos Suicidas é na verdade um conjunto de três histórias diferentes, sendo elas:

1A história do rapaz com as tortinhas de creme

2. A história do médico e do baú de Saratoga

3. A aventura do cabriolé

O livro gira em torno da vida do Príncipe Florizel e seu fiel confidente, o Coronel Geraldine. A primeira história gira em torno do instinto curioso do Príncipe, em que ambos disfarçados, circulando pelas ruas, encontram com um homem que está vendando tortinhas de creme. Interessados naquilo que o rapaz tem para dizer, passam a acompanhá-lo em sua jornada. Este passa a relatar suas tristezas, e os motivos pelo qual decidiu que a melhor escolha para si era a morte.

Dessa forma, o Príncipe e seu fiel se deparam, através desse jovem, com o Clube dos Suicidas, local onde, cavalheiros desiludidos com a vida, por seus mais variados motivos, por meio do pagamento de uma taxa, teriam a oportunidade de ter suas vidas tiradas pelas mãos de outro participante do grupo.

O método de escolha do assassino e do assassinado era feita pelo presidente do clube, através de um baralho, por meio da “sorte”.

As histórias seguintes giram em torno desta, de uma maneira um tanto quanto sutil.

Sempre quis ler esse livro, movida pela curiosidade. Sempre achei a ideia do enredo bem interessante.

Famoso o autor pelo livro O Médico e o Monstro, eu esperava bastante desse livro.

Acho que por ter muitas expectativas, apesar de ter achado o livro muito bom, ao término da leitura, ficou parecendo que ficou faltando alguma coisa pra mim. Tenho a impressão de que ele poderia ter sido mais. Não que a história dele seja ruim. Só não foi tudo aquilo que eu esperava.

Mas é um livro muito interessante de se ler, ainda mais pela forma como foi escrita. As três histórias se iniciam de uma forma que parecem independentes uma da outra, e a conexão entre elas só é feita depois, com links até que interessantes.

P.S.: Olá pessoas. Sumi né? Mas agora foi. Ainda não iniciei a leitura do próximo livro e digo porque. Fui convidada por uma amiga para participar de um desafio literário chamado:   Maratona Literária de Inverno 2015. Então, eu ainda estou montando a lista de livros que pretendo ler durante essa maratona, para que esses se encaixem nos requisitos sugeridos pelo desafio. Depois eu vou fazer um post bonitinho com os livros que pretendo ler, e que serão parte do meu objetivo anual.